ANO 04 – INFORMATIVO Nº 51 – GLOBALBLUE

Câncer de Próstata

*C.Pucci, HC Barretos, Inca 

O que é: É um tumor maligno na glândula do sistema reprodutor masculino, que produz e armazena parte do fluido seminal.

Sinais de atenção: Passar a urinar a todo momento, jato de urina fica mais fraco ou diminui.

Fatores de Risco: idade (acima 50 anos), histórico familiar, obesidade, tabagismo.

Como é feito o diagnóstico: Um exame de sangue mede o PSA (proteína Antígeno Prostático Específico), que elevado, pode indicar algo. Se o PSA estiver muito elevado e/ou algo foi detectado no toque, é necessário um ultrassom transretal com biópsia, que vai diagnosticar definitivamente o câncer.  

Tratamento: Dependendo da fase em que é diagnosticado o câncer de próstata, é indicado radioterapia, cirurgia ou tratamento hormonal.

O que pode acontecer: Medicação sem cirurgia (cura em 95% dos casos por serem iniciais), Cirurgia com retirada do tumor (ereção e ejaculação continuam normal, sem capacidade de procriar), Cirurgia com retirada da próstata (ocorre ereção e orgasmo, mas sem esperma).

Preconceito: O preconceito pode vir em defesa do que tememos em relação ao desconhecido. Se temos medo em relação a não entender determinada situação, não saber como ela vai se desenrolar e como vamos lidar com isso, logo tentaremos encaixar tudo isso em algo mais confortável (e conhecido para nós) e assim, pelo menos aparentemente, toda a angústia é afastada. Porém, apesar da “incrível” manobra, o medo não está sendo enfrentado e nesse mês (Novembro Azul) vem a tona vários deles que precisaremos encarar o quanto antes:

O medo do exame – Existe ainda muito preconceito em relação ao exame de toque e a associação com a perda da virilidade, o que mesmo considerando a importância cultural desta associação, é pouco se comparada à importância da vida que está em jogo e das chances que podem estar diminuindo enquanto adiamos o diagnóstico.

O medo da disfunção sexual – Pela (des)informação, o câncer é altamente associado à disfunção erétil como se a vida sexual e consequentemente a masculinidade ficasse inviabilizada. Assim, poucas pessoas acabam conhecendo as reais possibilidades de tratamento e prognóstico, que só podem começar a serem traçadas a partir do tão temido diagnóstico que começa com um tão receado exame.

O medo da doença - Uma pesquisa da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) comprova que Homens maduros associam o câncer de próstata a perda da virilidade e da identidade masculina, gerando grande sofrimento emocional e familiar.

O medo da morte – O medo da morte está relacionado com a nossa finitude. Um dia a condição que temos vai acabar e não poderemos mais realizar sonhos que nos propusemos e adiamos por tanto tempo. Esse mesmo medo gera uma força que paralisa, mas que pode ser usado para nos ajudar a buscar diagnóstico a tratamento, hábitos saudáveis e qualidade de vida – e não mais deve ser adiado!. 

Porque o preconceito é perigoso: Porque quanto mais avançado, menores as chances de cura, mais complexos os tratamentos, maiores as consequências da doença, maiores chances do câncer atingir outros órgãos.

Como vencer o preconceito:

Com informação – conheça mais e encare suas dúvidas, seus medos e sua saúde de frente! Também é importante que, no caso de um diagnóstico e tratamento, seja construída uma nova forma de identidade em relação ao funcionamento sexual possível, criando um ambiente de adaptação e desenvolvimento de novas e saudáveis associações do sexo com a afetividade e não apenas com relações de poder e masculinidade tradicionais de nossa cultura.

Mas melhor ainda é prevenir - como manter uma vida Saudável prevenindo o câncer de próstata: Alimentação saudável e equilibrada, atividade física, manter peso adequado a altura, não fumar, diminuir consumo de álcool, realizar exames de rotina.

Quanto custa um ERP?

Final da TV Analogica

Os pilares da Inovação de Marca